Sábado, 16 Dezembro 2017
PortuguêsEnglishEspañol
NEWSLETTER
Você está aqui: Turismo e Cultura > Lendas e Tradições
A LENDA DAS TRÊS COVINHAS

Nos limites de Sendim, no caminho para a capelinha de Nossa Senhora do Bom Despacho, podemos encontrar ainda hoje o Cabeço das Três Covinhas. A população de Sendim denomina esta fraga como o "banquinho do Menino Jesus", enquanto a de Cabriz a chama de "assento do rei mouro".

 

Em Sendim crê-se que as três covas desenhadas na fraga são os bancos onde se sentaram Nossa Senhora, São José e o Menino Jesus quando por ali passaram. Realmente, dois deles são maiores que o outro, bem mais pequenino, que seria o do Menino. Ao lado, existe a banheira do Menino - uma cova onde o povo diz que era onde Nossa Senhora dava banho ao Menino.

 

Para Cabriz, a interpretação deste penedo é bem diferente: segundo a lenda, aqueles bancos gravados na rocha seria onde um rei mouro e a sua família se sentavam. O assento maior seria o do rei e era dali que governava as terras e dava ordens aos seus súbditos. A lenda também diz que naqueles cabeços está um grande tesouro que só será achado quando os penedos rebentarem...

 

Era ao banquinho do Menino que se costumava ir fazer a chamada novena dos meninos. Quando uma criança adoecia, os pais arranjavam nove crianças para fazerem uma novena à Senhora do Bom Despacho. Se o doente fosse um menino, iriam em procissão nove meninos, se fosse uma menina, iriam nove meninas. Em troca, cada um ganhava uma pequena esmola, fala-se de dois tostões nos tempos idos. A tradição ditava que cada uma das crianças saísse de sua casa indo em direcção ao banquinho do Menino. Ali chegados, cada um, na sua vez, devia ficar por alguns momento sentado no banquinho, de onde depois saía para dar lugar a outro, seguindo depois para a capelinha da Senhora do Bom Despacho, em procissão com os pais e os familiares da criança doente.

 

Em Cabriz, esta tradição tem uma pequena variância: a procissão das crianças era feita quando uma mulher grávida, sentindo aproximar-se o dia do parto, arranjava nove meninas, que não tivessem mais que dez anos, e com elas em procissão iria pedir protecção para a hora do parto à Nossa Senhora do Bom Despacho.